É uma técnica simples. Mediante a retirada de sangue da veia E SUA IMEDIATA APLICAÇÃO NO MÚSCULO, AUMENTA EM QUATRO VEZES O NÚMERO DE MACRÓFAGOS NO ORGANISMO. São os macrófagos QUE FAZEM A LIMPEZA DE TUDO, eliminando bactérias, vírus e câncer.
25
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 17:12link do post | comentar |  O que é?

             Para assegurar lucros astronômicos, laboratórios farmacêuticos transnacionais ignoram procedimento indicado pelo descobridor da penicilina

“...Alexandre Fleming e a descoberta do antibiótico

Ele foi um filho de jardineiro que chegou a Lorde, porque jamais um filho de jardineiro tinha chegado a Lorde, graças ao bendito afogamento de Winston Churchill, que tinha 8 anos de idade quando caiu no poço, e ele tinha 10 anos, o Alexandre Fleming tinha 10anos, ele era filho de jardineiro do pai de Winston Churchill, que chamava-se Lorde Churchill, ele salvou Winston Churchill tirando do poço, o Lorde Churchill chamou o pai dele e disse: olha, a vida do meu filho não tem preço, felizmente né, porque Hitler se deu mal graças a Winston Churchill, a vida do meu filho não tem preço, peça alguma coisa que eu lhe darei, se quiser uma casa eu lhe darei uma casa, ele disse não, eu não preciso de casa, eu já nasci aqui, meu pai nasceu aqui, meu avó é que foi o primeiro que trabalhou aqui. Eu preciso é conseguir atender um desejo de um filho meu, eu tenho quatro filhos, três vão ser operários como eu, não tem interesses, mas o Alexandre, desde pequenininho ele diz que quer ser médico e quer ser pesquisador, desde pequeno, e eu não teria a menor condição de atender ao desejo dele. Aí disse o Lorde Churchill: Então ele será, se tiver capacidade, ele será, por falta de dinheiro é que não haverá problema.. então, ele se formou em medicina, o Alexandre, e com a humildade dele, graças a humildade dele, que ele descobriu a penicilina .

Porque o Lorde Churchill ofereceu para ele qualquer quarto da mansão, nos 100 quartos na mansão dele e o Alexandre disse, não eu...isso foi contado pelo próprio Alexandre no Hospital do Servidor do Estado em 1951, na rua Sacadura Cabral. Então Lorde Churchill disse você escolhe uns dos 100 quartos, não, o Senhor às vezes enche isso aí de convidados, fica tudo lotado, basta um lugar debaixo da escada, eram duas escadas em curva que subiam para o segundo andar, e ele disse, ali debaixo tem espaço suficiente para montar o laboratório, e por sorte aquilo era um lugar muito úmido, e ele fazendo experiências com placas de cultura, devido a umidade, um fungo que adora umidade que é o penicilium notacum, destruiu uma daquelas placas de cultura de determinado micróbio foi destruído pelo fungo ...ele como era um pesquisador em vez de jogar fora com raiva, a parte estragada ele quis saber porque que tinha havido aquele halo de destruição, e encontrou esse fungo e descobriu que esse fungo secretava uma substância, o penicilium notacum, que chamava-se penicilina, então ele começou a usar os antibióticos em vacas e cavalos do jóquei clube de Londres, e vacas das fazendas das imediações com alguma doença infecciosa, pneumonia e tudo ele usava...

Pneumonia

  Até um dia que aparece para buscá-lo o comandante da Royall Air Force, pra buscá-lo, pra ele aplicar a penicilina em Winston Churchill que estava morrendo no Norte da..., Winston Churchill tinha ido dar apoio moral ao Marechal Montgomery, o inglês, que estava levando a pior com o marechal Homell, a raposa do deserto de Hitler, e ele foi lá para da apoio e contraiu uma pneumonia dupla e lá não tinha mais recurso, tava praticamente desenganado, aí, ele e o comandante da Royall Air Force sozinhos atravessaram por cima da Europa, passando por zonas ocupadas pelos alemães, mas em grande altitudes pra não..., eles poderiam contorna pela Espanha dando a volta por regiões não perigosas, mas eles passaram por cima e ele chegou a tempo de aplicar em Wilson Churchill, só que ele com a simplicidade ele disse ao comandante da Royall Air Force, mais logo Wilson Churchill vai ser o primeiro ser humano a receber uma injeção de penicilina?, logo Wilson Churchill nosso primeiro ministro? Ele me disse, mas é tudo ou nada, o caso dele ele está perdido, e assim ele salvou pela segunda vez Winston Churchill, a primeira no poço que resultou nele estudar medicina, e depois salvou... e assim, ele .. agora... aí é que vem o lado importante, aí ele diz o seguinte, que as pesquisas dele tinha constatado que os micróbios ao longo de 10 dez anos iam criando resistência aos antibióticos, mais também tinha constatado que depois eles perdiam a memória, se ficasse um tempo sem usar, o antibiótico, então que todo antibiótico deveria ser usado num prazo máximo de 10 dez anos e depois descontinuado se possível, alguns anos, ou se possível, até 10 dez anos já que muitos outros antibióticos iam surgir, porque aí, desde que descobriu o mapa da mina, que é fungo produzindo um antibiótico os outros fungos também produziam efeito mortal sobre os micróbios, foi o que ele descobriu, por isso que surgiu essa quantidade enorme de antibióticos, tudo na base de fungos, então era só fazer isso, mais a ganância, resultou em usar o antibiótico permanentemente, não descontinuar e com isso os micróbios criaram resistência e hoje já há até, dizem de brincadeira os médicos que trabalham em hospital, até micróbios residentes, que já até adoram os antibióticos, já não são nem resistentes, são residentes ... então isso é que foi a história contada por Alexandre Fleming, o descobridor da penicilina, e foi a penicilina, os antibióticos é que levaram a descontinuar o uso da auto hemoterapia, quanto o normal, o que certo seria, era acrescentar, somar e não substituir, porque? Por que cada um age de uma forma diferente, os antibióticos agem impedindo reprodução dos micróbios e o sistema imunológico é que aproveitando o enfraquecimento, a pouca quantidade de micróbios e sendo ativados o seu sistema imunológico pelo próprio micróbio e dando tempo pra isso, pelo fato do antibiótico controlar a reprodução do micróbios, ele então cria, ele devora depois, o ‘macro’ e ‘fagos’, ‘macrófagos’, o termo é: ‘macro’ é grande e ‘fagos’ é comer, come partículas grandes, quer dizer, o macrófago aí devora o micróbio, aproveitando o fato do antibiótico, quer dizer, se tivesse continuado usando a Auto-hemoterapia junto com os antibióticos até haveria muito menos casos de resistência ao antibiótico, porque não sobrariam cepas resistentes que depois se reproduzem em outras cepas resistentes de micróbios.

 

 

...”.

Transcrito de http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia-dvd.htm</sp>


Transcrição do DVD em espanhol 

http:// www.geocities.ws/autohemoterapiabr/aht_espanol.htm


Transcrição do DVD em inglês 

http://www.geocities.ws/autohemoterapiabr/TRANSCRIPTION_of_the_DVD .htm


Veja a entrevista do dr. Luiz Moura em

http://www.youtube.com /watch?v=o-FXxoc-dmE


publicado por auto-hemoterapia, às 16:53link do post | comentar |  O que é?

“... Dosagem da Auto-hemoterapia  

  As técnicas iniciais ainda empíricas em 1912, foi o Prof. Ravaut, francês, e começou lá. Ele usava em doses crescente de 1cc,2,3,4,5, até 10, ia crescendo a cada dose. Depois o Jésse Teixeira, já não fazia assim, ele dava logo uma dose única, e como a ele interessava uma dose para evitar infecções dos pós-operatórios. Então ele dava logo 10 ml de uma vez e 5 dias depois fazia mais 10ml que era como eu comecei aplicando por ordem de meu pai quando operava os pacientes, exatamente assim.  

O que eu cheguei a conclusão que é que a dose varia com a gravidade do problema, vamos dizer, 5ml para uma doença que não seja muito séria, não um lupus, lupus eu só uso 10ml, miastenias graves, artrite reumatóide eu uso10ml, quando é uma alergia por exemplo, uma reação alérgica, asma, normalmente eu uso 5ml, basta, rinite 5ml, não há necessidade de doses maiores. 

Num caso desesperador, como foi o caso da esclerodermia, o primeiro caso que tratei, em 1976, eu usei 20ml iniciais. Porque eu precisava dar uma resposta violenta para a paciente sair de uma situação que tava praticamente, esclerodermia fase final, não tinha nada pra se fazer, então, tudo valia.

Pode-se fazer a auto-hemoterapia durante 10, 15, 20 anos. Eu por exemplo, tomo a muitos há muitos anos, mais de 15, 20 anos que eu tomo, faço a auto-hemoterapia. Agora...Não há nenhuma contra indicação. A gente faz, eu faço, vivo fazendo porque eu viso evitar doenças que deveriam incorporar no meu dia a dia, porque com a idade que foi avançando, passei pela idade dos acidentes vasculares. Muito bem, então eu tomava para evitar o acidente vascular, tanto cerebral quanto cardíaco. Agora eu to tomando porque também me protege contra o câncer, mantenho o sistema imunológico ativado, eu tenho sempre macrófagos prontos para devorar células que com a idade ou até jovens, até porque aparecem células cancerosas, de vez em quando, é como uma fábrica, seu controle de qualidade, existem sempre produtos que não saem corretos e tem que haver um controle de qualidade e o nosso controle de qualidade é o sistema imunológico que faz o controle de qualidade das nossas células. Então isso realmente é necessário. 

 Não há limite de uso, de tempo, pode se usar uma vida inteira, eu mando para os meus pacientes fazerem assim, fazer uma série de 10 aplicações depois, descansa um mês, alguns casos que nem precisa é só como prevenção descansa 2 ou 3 meses, depois fazer outra série. Seria, vamos dizer, pra usar de forma permanente, agora, com intervalos, dependendo os intervalos da finalidade com que está sendo aplicada a auto-hemoterapia. Se for apenas preventivo pode fazer intervalos grandes. Se for visando um problema  ou uma doença que já houve e que tenha que ser mantida sobre controle aí faz-se intervalos menores, faz-se 10 aplicações, 30 dias de intervalo. Muitos pacientes eu começo com 10 ml na fase aguda da doença depois eu reduzo para 5 ml por semana, porque não precisa mais. E tem pacientes, agora vou dar o exemplo do caso que é da minha vizinha lá de Visconde de Mauá, ela teve uma doença que iria cegá-la, ela teve toxoplasmose e já estava com 20% da visão. Então ela e, um dia, uma amiga dela, nos encontramos na estrada e me contou a história e eu então eu prescrevi a AH para ela. Ela por conta dela, quando viu que melhorava, ela aumentou de 10ml para 20 ml, tomava 10 em cada nádega, 20 ml e ela recuperou 80% da visão e ela até hoje faz. Isso, já tem mais de 10 anos, bem mais de 10 anos, e ela até hoje ela faz isso. 

 O intervalo entre uma aplicação e outra é de 7 dias, casos raros é que eu faço de 5 em 5 dias, quando eu quero manter nível de macrófagos no nível máximo, acima de 20%. Quando não há necessidade disso, quando a infecção, o problema está sobre controle, eu então faço de 7 em 7 dias, porque dá para reativar no 7º dia e volta de novo aos 20%. Faltou eu explicar que no momento que se aplica a AH leva 8 horas para a taxa de 5% (dos macrófagos) chegar a 22%, cada hora vai subindo. A técnica que o  Jésse Teixeira usou para comprovar a ação da AH foi uma coisa muito simples. Simples porque?, depois que a gente lê né?, porque a descoberta é que difícil. Ele descobriu que usando uma substância cáustica que se chama “cantárida” que passando na coxa forma-se uma bolha; aí o q ele fez? Ele resolveu tirar líquido da bolha e contar o número de macrófagos constatou que tinha 5%, fez vários dias, uma bolha e constatava que era 5%. Aí fez a AH e começou de hora em hora tirar umas gotas dessa bolha, a cada hora o nível de macrófagos ia subindo no fim de 8 horas chegou aos 22% e ele constatou que durante a semana toda, os 5 dias, manteve os 22%. Todo dia ele tirava, mas mantinha 20 a 22%, do 5º ao 7º é que começou o declínio, então ele fez isso em coelhos. Ele fez a auto-hemoterapia em coelhos e verificou que terminava a ação da AH quando o sangue terminava, porque ele sacrificava o coelho e verificava, bom, voltou de novo ao 5% , foi ver o local que tinha sido aplicado o sangue e já não existia mais sangue. 

 Mas a AH também é usada em veterinária, se usa em vaca que tem uma doença vírus, que se chama-se figueira, é como verrugas que nascem no focinho da vaca, e que realmente prejudicam muito a vaca, aplicando a auto-hemoterapia que eles fazem com 20ml na vaca, em 2 a 3 dias caem toda a figueira, cai todas aquelas verrugas que a vaca tem, desaparece tudo, isso é um uso veterinário. 

  Em músculos do braço, eu as vezes tenho paciente que quer que eu aplique os 10ml, logo num músculo, num braço só pra não levar duas picadas. E eu sou contra! Acho que 5, o músculo do braço, o deltóide, comporta 5ml, bem, não há problema nenhum. Agora na nádega sim, a gente pode aplicar os 10ml, o músculo glúteo, têm a capacidade de receber 10ml.  A Dona Ml, essa que eu contei da toxoplasmose, ela aplicava 10cc em cada nádega, porque ela queria ter o efeito o máximo que podia para salvar a vista dela, queira salvar a visão, mas foi ela mesma, isso não fui eu quem receitei 20ml assim não, isso foi a própria paciente que decidiu tomar de 20ml, pra ter um resultado mais eficiente. 

 Então, a dosagem, há casos que eu acredito, e dependendo também, teria que ser feito um estudo, qual a necessidade real, por exemplo, se tem relação essa quantidade? E uma coisa que eu já venho pensando nisso, qual seria a relação entre o peso corporal? Porque as dosagens dos medicamentos variam em função do peso corporal, a dosagem que uma criança toma, de 30k, é muito menos que uma pessoa de 70k. A Auto-hemo, talvez seja desnecessário, em crianças pequenas ser uma dosagem como se dá em adultos de 5ml, poderia aplicar 2, 3 ml, isso tudo é, a minha esperança, é que essa nossa fita aí e essa divulgação que vai resultar disso, que interesse pessoas que queiram fazer uma pesquisa de laboratório sobre isso e que tenham condições de fazer. Porque eu não, eu faço tudo na base do estudo clínico, na base de raciocínio, sem pesquisa de laboratório, sem nada, porque eu não tenho laboratório para isso, eu não tenho laboratório de pesquisa, é tudo pesquisa clinica, da aplicação prática. Todos os meus estudos vêm de aplicação prática.  

Como eu tenho certeza de que é uma técnica absolutamente inocente, que nenhum mal faz para a pessoa, nunca vi nenhum problema, eu então.... a gente que diz, bom, mas, se uma injeção de penicilina pode dar um choque anafilático, pode, mas o próprio sangue não dá choque anafilático em ninguém, não há o menor risco nesse tratamento. Nunca vi nenhum abscesso, nenhuma contaminação, porque que não há abscesso? Porque como estimula o sistema imunológico, mesmo que ela seja aplicada mal, e não deve ser.... deve ser aplicada nas melhores condições de higiene... mas se for mal aplicada, dificilmente vai haver uma infecção, porque o sistema imunológico está aguerrido, está quadruplicado. Então, é por isso que dificilmente....é.. eu nunca vi até hoje nenhum problema,... já vi sim, pacientes que não podem ver sangue, e quando vão tomar injeção, desmaiam, mas aí é problema emocional, não tem nada haver com a auto-hemoterapia com efeito sobre o equilíbrio da pessoa. Não tem nada haver, mas então, realmente, eu acho que é de grande valor essa técnica, eu espero que agora a gente tenha uma divulgação grande.

...”.

Transcrito de http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia-dvd.htm</sp>


Transcrição do DVD em espanhol http:// www.geocities.ws/autohemoterapiabr/aht_espanol.htm


Transcrição do DVD em inglês 

http://www.geocities.ws/autohemoterapiabr/TRANSCRIPTION_of_the_DVD .htm

 

Veja a entrevista do dr. Luiz Moura em

http://www.youtube.com /watch?v=o-FXxoc-dmE 


23
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 14:35link do post | comentar |  O que é?

 

 

   Sentença</span>

CFM “julga” direito de opinião de médicos

 < /span>

Médico e cientista foi processado pelo Conselho de Medicina de São Paulo porque escreveu trabalho citando eficácia da auto-hemoterapia. Recorreu ao Conselho Federal de Medicina – CFM do Brasil e a sentença final é que “Médico que publica artigo de pesquisa bibliográfica sobre evolução de técnicas usadas ao longo dos anos não comete falta ética”. Nem precisava, pois a Constituição Federal garante o direito e a liberdade de expressão. Mas nesse ambiente arbitrário coisas desse tipo continuam acontecendo.

 

< span style="font-size:12.0pt;font-family:"Times New Roman","serif";mso-fareast-font-family: "Times New Roman";mso-fareast-language:PT-BR">O silêncio dos médicos alimenta injustiça social. Não era necessário, pois está na Constituição, mas pela decisão do Conselho os médicos ficam à vontade para opinar sobre auto-hemoterapia

 

--- Walter Medeiros – waltermedeiros@supercabo.com.br

 

“Médico que publica artigo de pesquisa bibliográfica sobre evolução de técnicas usadas ao longo dos anos não comete falta ética”. Esta frase não é uma simples opinião; é o enunciado de uma decisão do Conselho Federal de Medicina - CFM, que a proferiu para não enveredar mais ainda pelo caminho tortuoso do arbítrio contra a liberdade do exercício da medicina e de expressão (Para compreender bem o citado arbítrio, o leitor pode consultar o texto Razões para liberar a auto-hemoterapia em http://rnsites.com.br/autohemoterapia-arrazoado.htm& nbsp; ). 

 

Por trás desse anunciado existem fatos lamentáveis, decorrentes da falta de transparência e da postura fechada dos órgãos de classe dos médicos. Mas tomamos conhecimento de mais uma decisão que garante a liberdade dos médicos brasileiros para realizar trabalhos e publicações sobre técnicas importantes, como a auto-hemoterapia. A decisão foi lavrada em processo ético julgado pelo CFM. 

 

Julgamento 

 

O processo começou no Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo – Cremesp, contra o médico e cientista José de Felippe Junior, pelo fato de ele ter escrito trabalho de pesquisa sobre a evolução dos tratamentos referindo-se à auto-hemoterapia, no qual apresentou 120 referências bibliográficas no ano de 2012. Ele apelou para o CFM e foi absolvido por unanimidade em recurso conhecido e provido. 

 

O texto que gerou o processo foi “Infecção focal: Uma das causas esquecidas da verdadeira etiologia das doenças sistêmicas - o valor do FDG-PET no diagnóstico e o valor da autovacina no tratamento”. Escrito pelo Dr. José de Felippe Junior, o trabalho foi publicado em 2008 e pode ser lido intregalmente no endereço http://www.medicinacomplementar.com.br/tema150408a.asp</ a> .

     &n bsp;     

         ;    Pesquisa

 

O Dr. Filippe apresentou o resultado de sua pesquisa sobre o termo “infecção focal” mas, para desespero daqueles que não conseguem nem pensar na eficácia da auto-hemoterapia, a certa altura transcreveu escrito de E.C. Rosenow de 1958 que ensinava: “O processo de doença somente se estanca com as auto vacinas ou a autohemoterapia ao lado da exclusão do foco”.

 

Mais adiante é mostrado que “Na impossibilidade de se fazer vacinas autógenas, de acordo com os ensinamentos de Rosenow e pela impossibilidade de se encontrar o foco de infecção, os pesquisadores passaram a empregar outro tipo de auto vacina a autohemoterapia. É uma forma de auto-vacina em concentrações bem diluídas dos possíveis derivados e produtos do foco de infecção”. Informa que “Esta prática está proibida pelo Conselho Federal de Medicina no parecer CFM 12/2007”. Diz ainda que “Hoje temos a possibilidade de usar a tomografia FDG-PET e assim temos maior possibilidade de encontrar o foco de infecção escondido e não diagnosticado. Na impossibilidade de encontrarmos o foco nos resta a autohemoterapia, procedimento sem custo e desprovido de efeitos colaterais, exceto leve dolorimento no local da injeção”. 

 

Ressalva

 

O pesquisador teve o cuidado de explicar que “É importante salientar que ao tratarmos dos nossos pacientes, sempre precisamos utilizar em primeiro lugar todos os recursos da medicina convencional. Todos têm o direito de usufruir da MEDICINA MODERNA , da medicina que aprendemos na ESCOLA , entretanto, se não estamos obtendo o resultado esperado temos a obrigação como médicos de utilizar estratégias que já foram empregadas no passado e que sabidamente não apresentam efeitos colaterais”. E diz mais: “Ser médico é cuidar do paciente, é ser responsável pelo paciente, é utilizar toda estratégia possível para amenizar o sofrimento do paciente” recordando afirmação dele próprio feita em 1990.

     &n bsp;     

Na Conclusão ele defende que “Os dados epidemiológicos e as pesquisas que se seguiram a 1915 mostraram que o grande pesquisador do passado estava com a razão”, convocando: “Vamos ser médicos mais cuidadosos e acrescentar ao nosso raciocínio e à nossa propedêutica a possibilidade da presença de um foco de infecção”, indagando: “Quantas doenças já devem ter passado na frente dos meus olhos e eu não diagnostiquei uma simples e facilmente curável infecção focal ?”. Cita Charcot dizendo que “As enfermidades são muito antigas e nada a respeito delas mudou. Somos nós que mudamos ao aprender a reconhecer nelas o que antes não percebíamos”; e Walter Edgar Maffei, que aconselha: “Médicos : Não sejam camelôs da Indústria Farmacêutica”. Para o autor, “Amordaçar a Ciência é o mesmo que a tirania faz com a Liberdade de um povo”.

16.04.2014

Publicado em

http://rnsites.com.br/auto-hemoterapia.htm< /a>

 

Reproduzido em

 http://hemoterapia.org/informacoes_e_debate/ver_op iniao/cfm-julga-direito-de-opiniao-de-medicos-o-silencio-dos.asp< /a> 

Saiba mais: UMA PROIBIÇÃO ILEGAL (QUEM PROIBIU A AUTO-HEMOTERAPIA?)

Em http://www.r nsites.com.br/auto-hemoterapia-legis.htm

E,  “PARECER DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) SOBRE AUTO-HEMOTERAPIA NÃO TEM CABEÇA, CONCLUI MÉDICO APÓS AVALIAÇÃO CIENTÍFICA”

http://www.hemoter apia.org/informacoes_e_debate/ver_opiniao/parecer-do-conselho-federal-de -medicina-cfm-sobre-auto.asp</ p>


16
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 16:36link do post | comentar |  O que é?

 “ ... ESCLERODERMIA

 
Dia 10/09/1976, se interna na clínica, nesse tempo, eu era chefe da clínica médica do Hospital Cardoso Fontes, e tinha uma consultora dermatológica lá Dra. Rícia Álvaro Florião, trabalha aqui pertinho na Praça Sans Penã, pois olha, ela então, ela fez um diagnóstico com três biópsias, é uma senhora que há 8 meses não andava, estava em cima de uma maca, entrevada e chega e é internada no hospital. Bom, aí ela faz o diagnóstico, tira as biopsias, manda para Anatomopatologia do hospital e a Dra. Glória Moraes, chefe do Anatomia Patológico, dá o laudo: esclerodermia fase final. Então a Dra. Rícia resolveu dar uma aula. Nós tínhamos toda segunda-feira uma aula dos casos que não fossem rotineiros, dos casos que saiam da rotina. E esse é um caso bastante raro. Esclerodermia é uma doença auto-imune e que não é freqüente.
 
Então ela deu uma aula belíssima, eu aprendi muito com ela porque eu não sabia nada sobre a esclerodermia, sabia de ter lido livro, nunca tinha visto paciente esclerodérmico, e eu era chefe dela!  
E ela deu a aula lá, quando terminou a aula, quando tava terminando o prognóstico, quando se diz o que pode ser feito pela paciente, a Drª. Rícia mandou a enfermeira levar a paciente. Eu entendi, agora chegou a hora de dizer o que tem que fazer pela paciente. Você mandou tirar a paciente para ela não escutar. Ela disse: é verdade, eu não tenho nada há fazer pela paciente.  
 
Eu digo a Rícia: "Você me entrega essa paciente para eu aplicar uma técnica, que não é corrente e chama-se Auto-hemoterapia. Ela riu e disse assim, ela riu na frente do chefe que era eu e dos outros dois assistentes, que eram meus assistentes, e disse assim:
- "Dr. Moura, eu fui residente médica, o senhor sabe que eu cheguei em maio dos EUA, eu era residente médica, lá, numa clínica para onde convergiam todos os casos de esclerodermia de todos os EUA, e a clínica não era mais nada de um depósito de esclerodérmicos, não tinha mais nada a fazer. Então o senhor acha que pode fazer?"
 
Eu disse: Olha, eu vou agora em casa pegar os dois trabalhos do Dr. Jésse Teixeira e do Dr. Ricardo Veronesi, eu vou pegar esses dois trabalhos, e você vai ver que a idéia tem fundamento. Fui, levei vinte minutos para trazer os trabalhos. Cheguei lá e li essas partes principais dos dois trabalhos e perguntei: E agora Rícia?  
"Ahh, Tem lógica, pode funcionar, vale a pena."
 
E eu então fiz. Mas eu precisava, como ia fazer uma coisa nova, num hospital, que ninguém nunca tinha feito, eu então peguei a .... fiz uma dose brutal. Eu tirei 20 cc de sangue e apliquei 5 cc em cada em cada braço (deltóide) e 5 em cada nádega, porque eu tinha que produzir um resultado, ou funcionava ou não funcionava, eu tinha que chega a....  
 
A melhora foi uma coisa espantosa. Ela (a paciente) ficou..., os tecidos dela..., porque a pessoa com esclerodermia fica com a pele como se fosse pele de jacaré, dura, a pessoa morre numa situação terrível, porque morre em asfixia, porque não consegue respirar mais. O pulmão não pode expandir, não tem condição de expandir, fica um bloco de madeira,  o corpo.
 
Eu então fiz, e por incrível que pareça 30 dias depois no dia 10/10/1976 essa paciente saiu andando do hospital.
...”.
Transcrição do DVD em espanhol 
Transcrição do DVD em inglês 
Veja a entrevista do dr. Luiz Moura em https://www.youtube.c om/watch?v=o-FXxoc-dmE

12
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 13:19link do post | comentar |  O que é?

 

 

A ENTREVISTA DO DR. MOURA:AUTO-HEMOTERAPIA,

 

Contribuição para saúde. 

Dr. Luiz Moura

Transcrição do DVD com a entrevista do Dr. Luiz Moura sobre Auto-hemoterapia (Transcrição literal, sem ajustes, daí a linguagem coloquial).

"Para mudar o rumo das coisas é preciso que a visão seja otimista" - Dr. Luiz Moura

 

O que é a auto-hemoterapia?

É uma técnica simples, em que, mediante a retirada de sangue da veia e a aplicação no músculo, ela estimula um aumento dos macrófagos, que são, vamos dizer a Comlurb (Companhia de Limpeza Urbana) do organismo. Eles é que fazem a limpeza de tudo, eliminam as bactérias, os vírus, as células cancerosas, que se chamam neoplásicas. Fazem uma limpeza total, elimina inclusive a fibrina, que é o sangue coagulado. E agora, ocorre esse aumento de produção de macrófago pela medula óssea porque o sangue no músculo funciona como um corpo estranho a ser rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial (SRE), isso no músculo, enquanto houver sangue no músculo, o Sistema Retículo Endotelial, está sendo ativado, e só termina essa ativação máxima no fim de cinco dias.  

O número de macrófagos, a taxa normal é de 5% no sangue e com a auto-hemoterapia, nós elevamos esta taxa para 22% durante 5 dias, do 5º ao 7º dia, começa a declinar, porque o sangue está terminando no músculo, e quando termina ela volta aos 5%, daí a razão da técnica determinar que deva ser repetida, de 7 em 7 dias.  

Essa é a razão de como funciona a auto-hemoterapia, é um método de custo baixíssimo, basta uma seringa, pode ser feito em qualquer lugar porque não depende nem de geladeira, de nada, simplesmente porque o sangue é tirado no momento em que é aplicado no paciente, não há trabalho nenhum com esse sangue; não há nenhuma técnica aplicada nesse sangue, apenas uma pessoa que saiba pegar uma veia e saiba dar uma injeção no músculo, e uma seringa para fazer a retirada do sangue e aplicação no músculo, mais nada. E resulta num estímulo imunológico poderosíssimo.  

Então, realmente é uma coisa que poderia ser divulgada e usada em regiões sem recursos em que as pessoas não têm condições de pagar estímulos imunológicos caríssimos; como, por exemplo, os 'feitos' de medula óssea, que se fazem medicamentos, eu não posso dizer o nome do medicamento, porque não estou aqui fazendo propaganda, mas é um medicamento caríssimo, que se usa para produzir o mesmo efeito da auto-hemoterapia, que é o lisado de timus de vitela, que foi fabricado, isso eu posso falar, é um lisado de timus de vitela, tem um nome de fantasia, mas na realidade, a essência do produto é um lisado de timus de vitela submetido a um fermento digestivo, que se transforma num medicamento, mas é de custo muito alto, enquanto que a auto-hemoterapia produz o mesmo efeito a custo baixíssimo. Portanto podendo ser usado em todas as camadas da população sem nenhum problema, aí, essa é que é a grande vantagem!

INÍCIO E APLICAÇÃO DA PRÁTICA DA AUTO-HEMOTERAPIA

Eu comecei a fazer a auto-hemoterapia, a aplicar, ainda como estudante de medicina, em 1943, quando eu entrei para a faculdade de medicina. Eu entrei na Faculdade Nacional de Medicina, que era na Praia Vermelha (no Rio de Janeiro). E o meu pai era professor dessa mesma faculdade, e ele era também chefe enfermaria da Santa Casa, e era cirurgião geral, e ele me mandava, primeiro me ensinou a tirar sangue e a aplicar no músculo, e ele me mandava para casa de todo paciente que ele operava. Eu tinha que ir na véspera da internação, na Casa de Saúde São José, onde ele operava. Aplicar no paciente 10 ml de sangue, e depois, 5 dias depois, ele não esperava cair a taxa a zero não, e cinco dias depois eu fazia a mesma a aplicação no paciente, ainda internado, por que naquele tempo as internações, duravam em média, uma semana. O que eu não sei é como é que ele tinha coragem de operar comigo auxiliando, porque eu só sabia era  segurar os instrumentos e mais nada. Acho é que ele operava era sozinho porque o que eu sabia era só segurar os instrumentos e mais nada. O que eu tinha aprendido, a única coisa, era aplicar sangue e tirar sangue da veia e aplicar no músculo, mais nada. E nunca houve problema nenhum, ele teve com isso, uma das taxas menores que eu já vi até hoje de infecção hospitalar.

Ele fazia isso porque o trabalho do Jésse Teixeira, que foi feito especificamente para evitar infecções pós-operatórias, e que resultou num prêmio de cirurgia, no maior prêmio de trabalho publicado em 1940 e foi traduzido em duas línguas, para o francês e para o inglês esse trabalho foi um sucesso enorme, o trabalho do Jésse Teixeira. O meu pai usava esta técnica, porque ele tinha lido o trabalho de Jésse Teixeira. Ele tinha 150 cirurgias, operações diferentes dos mais variados, comparados com outras 150 cirurgias idênticas que em uma teve 0% de infecções pós-operatórias, quando aplicado o sangue e na outra que não aplicava, a título de contraprova, ele não aplicava o sangue, as mesmas cirurgias, as mesmas operações, ele teve 20% de infecções. Porque havia naquela época o grande problema era mais  infecções pulmonares no pós-operatório, porque a anestesia era feita com éter, e o éter irritava muito os pulmões. Havia uma facilidade muito grande de infecções.

Daí como eu aprendi isso com ele, depois, eu me limitei a usar durante muitos anos a auto-hemoterapia exclusivamente para evitar, tratar de infecções, acne juvenil, que é uma infecção de estafilococos e também evitar infecções de cirurgias, nesse tempo eu era cirurgião, então eu também usava o mesmo método. A finalidade é basicamente combater bactérias.  

Só a partir de 1976 é que eu passei a usar numa amplitude muito maior, graças a um médico, Dr. Floramante Garófalo, um ginecologista, que era assistente do hospital Cardoso Fontes em Jacarepaguá e que era a pessoa que mais conhecia equipamento hospitalar do Brasil.

Então ele já estava aposentado, tinha 71 anos. E ele foi chamado pelo Dr. Amaury de Carvalho, que era o diretor do Hospital, para equipar o hospital, porque o Hospital tinha sido um sanatório de tuberculosos, e foi transformado no Hospital Geral, então precisava todas as clínicas serem equipadas e ele foi ser assistente do Diretor, e eu era também assistente do Diretor. Um dia, o prof. Garófalo ou Dr. Garófalo, mas ele merecia ser chamado de professor. Ele então chega se queixando de uma dor, uma dormência que sentia na perna quando andava uma caminhada de 100, 200mt tinha que sentar na rua, no meio-fio porque não conseguia mais andar. Eu então disse para ele, olha Dr. Garófalo, você tem que ser examinado por angiologista; e nós temos um excelente aqui, chama-se o Dr. Antônio Vieira de Melo, um excelente angiologista, - que é até primo-irmão do Sérgio Vieira de Melo que morreu lá no Iraque-. E então ele vai ter que examinar esta perna, ele examinou primeiro com aparelho, e disse: há uma obstrução na sua coxa direita, na parte média da coxa. Aí o Dr. Garófalo disse assim: Bom, mas de que tamanho? Só fazendo uma arteriografia, então fomos para o raio-x e fez a arteriografia, tinha 10 cm de artéria entupida.

Aí então o Dr. Garófalo, foi dito a ele pelo angiologista Antonio Vieira de Melo: Olha, só há uma solução. Fazer uma prótese. Tirar uma parte desta artéria, esses 10 cm e substituir por uma prótese de material plástico chamado "dralon" ele aí diz, o Dr. Garófalo rindo, "em mim você não vai fazer isso não, porque eu não quero virar um homem biônico. Hoje é essa artéria da coxa, amanhã será a do braço ou da outra perna. Então eu vou só fazendo prótese? Não, quem vai me curar é a Autohemoterapia".

E me pediu que eu aplicasse nele; ele trazia de cada 7 dias trazia 1 seringa, já tudo preparado, e eu fazia a aplicação da AH. No fim de 4 meses, ele me disse: "Não sinto mais nada, estou bom". Mas eu disse: o Dr.Antônio Vieira de Melo é que tem que dizer, te dar a alta e dizer se você está bom ou não. Fomos ao Dr.Antônio Vieira de Melo e ele disse: "eu não acredito nisso, é impossível! Isso é sugestão. Você se convenceu tanto com essa AH que você está achando que está bom". Aí ele disse: "agora eu ando quilômetros, não tenho mais problema nenhum". Bom, pode ser a sugestão. Então eu (Dr. Luis Moura) dei a resposta, eu digo: Bom, não há porque a gente discutir se é sugestão ou não é sugestão. Ó Garófalo você se submete a outra arteriografia? Ele disse: "pra já! Vamos lá!" Fomos para o raio-x; quando foi feito a segunda arteriografia não havia mais a obstrução alguma e assim ele viveu, nós conhecemos ele com até noventa e tantos anos passando aqui nessa rua João Roca (em Visconde de Mauá – Rio de Janeiro) aqui na minha casa. Ele morreu com mais de 95 anos, sem nunca ter mais operado, nem ter feito nada. Então, realmente foi uma coisa, agora isso foi daí que começou em 1976, entre os meses de maio e setembro de 1976 que eu fiz essas aplicações no Dr. Floramonte Garófalo. E curou. Aí, quando ele, como compensação, resolveu me dar um presente, me deu dois trabalhos: um do Dr. Jésse Teixeira e outro do Dr. Ricardo Veronesi.

Há um intervalo entre esses dois trabalhos de 36 anos, um é de 1940 e o outro de 1976. Mas a impressão é que um foi feito para o outro, para combinar, um com o outro. Porque? Por que enquanto este (mostrando o trabalho do Dr. Jésse Teixeira) se limitava à ação da auto-hemoterapia em evitar infecções pós-operatórias, neste aqui do prof. Ricardo Veronesi, que é professor da Universidade de Santos, a imunologia já tinha avançado muito mais e tinha se descoberto que o Sistema Retículo - Endotelial (SRE) tem muitas outras funções, além da de combater as bactérias, muito mais do que isso.

E a essência daquilo é simplesmente, em poucos minutos dá para a gente ler isso aí: o que é que fazem os macrófagos.

As principais funções deles são, isso no trabalho do Prof Ricardo Veronesi : (trecho lido pelo Dr Luiz Moura no DVD) (texto retirado do Trabalho do Dr Ricardo Veronessi)  

As principais funções do Sistema Retículo Endotelial são: 

1) Clearance (limpeza) de partículas estranhas provenientes do sangue ou dos tecidos, inclusive células neoplásicas (cancerosas), toxinas e outras substancias tóxicas.

2) Clearance de esteróides e sua biotransformação. (Eliminação dos hormônios, os esteróides)

3) Remoção de micro agregados de fibrina e prevenção de coagulação intra vascular. (É o motivo pelo que eu tomo (AH) pra evitar enfartos e tromboses, tromboses cerebrais, enfartos das coronárias, porque ele faz a prevenção da coagulação intra-vascular, ele  remove a um possível entupimento que possa ter havido, como removeu a fibrina que entupia a artéria femural do Dr Garófalo. Por isso que eu tomo(AH).) 

4) Ingestão do antígeno, seu processamento e ulterior entrega aos linfócitos B e T.(o antígeno que produz a reação alérgica, então tem uma grande ação nas alergias, no tratamento das alergias) 

5) Biotransformação e excreção do colesterol. 

6) Metabolismo férrico e formação de bilirrubina. 

7) Metabolismo de proteínas e remoção de proteínas desnaturadas. (Proteínas anormais)

8) Destoxificação e metabolismo de drogas.  

(Imagina, metabolismo de proteínas e remoção de proteínas desnaturadas, hoje que se sabe que essa doença encefalite que dá a doença da vaca louca e tudo, é uma proteína que se chama ‘prion’ que é desnaturada, e ele então poderia ajudar no tratamento, ser um colaborador nesse tratamento nessa doença.) 

Respondendo por tantas e tão importantes funções, fácil é de se entender o papel desempenhado pelo Sistema Retículo Endotelia no determinismo favorável ou desfavorável de processos mórbidos tão variados como sejam os infecciosos, neoplásicos, (câncer) degenerativos e auto-imunes.

Foi aí é que eu, aí vou contar depois um caso, onde comecei com o tratamento em doença auto imune. 

Muito bem, agora o que é triste, triste, é que, o que o Prof Jésse Teixeira descobriu em 1940, em 1976, 36 anos depois ainda estava sendo estudado em países do primeiro mundo em ratos e aqui não teve a divulgação que deveria, está aqui, esse trecho aqui: 

( Dr Luiz Moura lê outro trecho do trabalho do Dr. Ricardo Veronesi) 

Doenças Degenerativas 

O Sistema Retículo Endotelial, exerce papel importante na homeostase (quer dizer, manter o organismo saudável) inclusive dos Lípides (das gorduras) dessa maneira tem se demonstrado em animais que o Sistema Retículo Endotelial está implicado na produção e excreção do colesterol, quer endógeno como exógeno. Conclui-se daí que a hipercolesterolemia e, talvez, a arterosclerose (processo degenerativo das artérias que vão endurecendo) depende do perfeito funcionamento do Sistema Retículo Endotelial, podendo ser reduzida a taxa do colesterol sanguíneo através da imunoestimulação do sistema conforme experiências realizadas em ratos na Universidade do Tenessee (quer dizer, enquanto em 1940 no Brasil, o Prof. Jésse Teixeira descobriu em ser humano como estimular o Sistema Retículo Endotelial em 1976, 36 anos depois, nos Estados Unidos, no Tenessee, estava se estudando em ratos.) Estamos realizando experiências em tal sentido no serviço do professor Luiz  V. Décourt em São Paulo.  (acima, entre parênteses, comentários e explicações do Dr Luiz Moura sobre os trechos do Trabalho do Dr. Ricardo Veronesi) 

Quer dizer, então a AH é um recurso de enorme valor, porque com essa amplitude que o avanço da imunologia deu, porque antes realmente só se sabia que combatia as infecções, eu só usava por exemplo, para reduzir o tempo de cura, por exemplo, de uma pneumonia, dava o antibiótico, eu usava simultaneamente a AH, com isso eu conseguia reduzir, primeiro a quantidade de antibiótico, a pessoa não precisava tomar tanto antibiótico, e o tempo de cura se acelerava por que o antibiótico fazia uma parte, quer dizer, paralisava a reprodução dos microorganismos por micróbios e a AH estimulava os macrófagos a devorar esses micróbios. Então complementava a ação um do outro e com isso eu tive resultados muito bons, em doenças, como pneumonias, até duplas graves e tudo, e resolvia os problemas associando esses dois recursos, um que paralisava a reprodução, porque muita gente pensa que antibiótico é bactericida, não, antibiótico não mata bactéria, ele só paralisa a reprodução das bactérias, quem mata bactéria é nosso sistema imunológico, ele quem completa o trabalho do antibiótico, o antibiótico dá chance de ativar o organismo para vencer a infecção.

...". 

Texto copiado de http://www.rns ites.com.br/auto-hemoterapia-dvd.htm

Transcrição do DVD em espanhol ht tp://autohemoterapia.orgfree.com/AUTOHEMOTERAPIA_Espanol.htm

Transcrição do DVD em inglês h ttp://autohemoterapia.orgfree.com/TRANSCRIPTION_of_the_DVD.htm

Veja a entrevista do dr. Luiz Moura em https://www.youtube.c om/watch?v=o-FXxoc-dmE

 


09
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 14:17link do post | comentar |  O que é?

Publicação Medicina Chinesa 2014: auto-hemoterapia no tratamento da acne. (Clinical observation on treating acne by scraping plus autohemotherapy) 

 

http://d.wanfangdata.com.cn/periodical_zylcyj201401025.aspx

 

Tradução via Google 

 

Objetivo: Analisar a eficácia clínica da raspagem com auto-hemoterapia no tratamento da acne. Métodos: Tratar 30 casos de acne com raspagem auto-hemoterapia plus.

 

Resultados: Após dois cursos de tratamento, 50 pacientes, 38 casos foram marcadamente eficaz, respondendo por 76%; 8 casos tiveram um bom efeito, 16%; eficaz em 4 casos, 8%. O rendimento total foi de 100%. Conclusão: Raspagem com auto-hemoterapia em acne tem início rápido, alta eficácia e é digno de promoção. 

 

...

Journal  

Clinical Journal of Chinese Medicine  

 

  

Publicado por Fetha   em 

http://www.hemoterapia.org/publicacoes/publicacao-</wb>medicina-chinesa-2014-auto-hemoterapia-no.asp</s>


05
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 14:34link do post | comentar |  O que é?

AUTO-HEMOTERAPIA E A CURA DE ESCLERODERMIA

https://www.facebook.com /photo.php?fbid=645615265495993&set=a.552082644849256.1073741825.100 001425771236&type=1&theater

Mensagem de Glaide Carvalho enviada pelo facebook: em 22 janeiro de 2014 https://www.facebook.com /glaide.carvalho 

Olá era portadora de Esclerodermia, inclusive tenho relados em sites da AH qdo comecei a fazer e quero informar que continuo fazendo e este ano 2013 foi declarado pelo médico reumatologista que não tenho mais Esclerodermia. Abraços! VEJA VIDEO DE 2 ANOS ATRAS: Graças a Auto-hemoterapia portadora de esclerodermia está há 2 anos sem corticóides 

http://www.youtube.com/w atch?v=ZaSMiT0YIxM http://hemoterapia.org/v ideos/gracas-a-auto-hemoterapia-portadora-de-esclerodermia-esta.asp</spa>

Publicado em http://www.recantodasletras.com.br/artigos/387723< /span>


02
Abr 14
publicado por auto-hemoterapia, às 13:47link do post | comentar |  O que é?


"Olá, quero aqui compartilhar para aqueles que querem acreditar em algo natural ao bem da saúde!

Sofria muito com constantes crises de inflamação da garganta, era com algo gelado ou mudança de clima, poeira dentre outros, chegando a ter que direto ir ao hospital.

Foi quando um dia meu pai chegou com um DVD do Dr. Luiz Moura e começou a dizer que tinha ganhado de um homem que lhe contou sobre os benefícios da AUTO-HEMOTERAPIA.

Corri com o DVD para poder assisti-lo e no desenrolar do filme fui vendo que talvez pudesse me ajudar, então rapidamente pedi pra uma irmã que é técnica em enfermagem pra poder fazer aquele procedimento em mim e ela não pensou duas vezes para fazê-lo.

INCRÍVEL, INCRÍVEL!!! FALO ISSO COM TODA PROPRIEDADE E EXPERIÊNCIA QUE TIVE COM ESTE MÉTODO NATURAL, JÁ FAZ MAIS DE UM ANO QUE VENHO FAZENDO APLICAÇÕES DE 7 EM 7 DIAS DA AUTO-HEMOTERAPIA E REPAREI QUE REALMENTE NÃO TENHO TIDO MAIS AQUELAS INFLAMAÇÕES DE GARGANTA QUE ACABAVA VINDO EM SEQUÊNCIA, GRIPE E PEITO COM CATARRO.

MANTENDO CERTINHO ESSE INTERVALO DE APLICAÇÕES VOCÊ PODE CONFIAR QUE NÃO TERÁ MAIS NENHUM TIPO DE CRISE. ACREDITE, NÃO DÁ PRA FICAR CAINDO SOMENTE EM CONVERSA DE QUEM QUER MAIS É VER O POVO DOENTE PRA PODER ALIMENTAR ESSE MUNDO DOS NEGÓCIOS E INTERESSES!”.

 Publicado por Arione Luiz de Souza em 5 agosto 2013  em

http://amigosdacura.ning.com/forum/topics/meu-teste-com- aplica-es-da-hemoterapia

 < /span>

  


mais sobre mim
Abril 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18
19

20
21
22
24
26

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
Visitantes
subscrever feeds
blogs SAPO