É uma técnica simples. Mediante a retirada de sangue da veia E SUA IMEDIATA APLICAÇÃO NO MÚSCULO, AUMENTA EM QUATRO VEZES O NÚMERO DE MACRÓFAGOS NO ORGANISMO. São os macrófagos QUE FAZEM A LIMPEZA DE TUDO, eliminando bactérias, vírus e câncer.
03
Out 13
publicado por auto-hemoterapia, às 15:06link do post | comentar |  O que é?
A doença do sono (tripanossomíase africana) matou 100.000 pessoas em 2002. Embora a cura da doença com a auto-hemoterapia, seja conhecida desde 1924. A técnica cura ao aumentar a imunidade em quatro vezes. Em Die Autohämotherapie bei einigen kutanen und venerischen krankheiten. DERMAT. WCHNSCHR., LEIPZ. U. HAMB., 1924, lxxix, 1629-1637, dos autores alemães Wein, M.A., Salutzki, L.E., and Konigsberg, L.M., é citada a cura da doença do sono junto com um grande número de doenças infecciosas, como sarampo, tifo, gripe, gonorreia e sífilis, além do cancro. A pergunta que não quer calar é: os médicos não usam a auto-hemoterapia no tratamento da doença do sono por ignorância ou porque são manipulados pela "ciência" ditada pelos laboratórios farmacêuticos transnacionais? Outra: Por que se calam a Organização Mundial de Saúde (OMS) e os governos das regiões afetadas? Até mesmo organizações como os Médicos Sem Fronteiras (MSF) ignoram o tratamento com auto-hemoterapia. A entidade alerta: "A doença do sono, ou Tripanossomíase africana, é uma doença fatal e negligenciada que atinge 36 países da África Subsaariana. Mais de 60 milhões de pessoas vivem em áreas de risco e estima-se que 70 mil estejam infectadas. ...". Em http://www.msf.org.br/conteudo/24/doenca-do-sono/ Para depois admitir: "...O maior obstáculo na luta contra a doença é a falta de novos e melhores medicamentos e métodos de diagnóstico. O remédio mais usado foi desenvolvido em 1949 e é altamente tóxico. A droga falha na cura de cerca de 30% dos pacientes,e mata 5% dos que a recebem. A Eflornitina, uma alternativa mais segura de tratamento utilizada por MSF, requer uma bolsa infusora e um cronograma de tratamento complexo, que exige a monitoração constante do paciente - algo difícil de ser feito na África Subsaariana. A organização tem assegurado produção e estoque de Eflornitina, e acompanha testes de terapias combinadas com outros medicamentos. MSF continua alertando aos pesquisadores e à comunidade internacional sobre a necessidade de novos medicamentos e métodos para um diagnóstico correto. ...". O QUE É A DOENÇA "A doença do sono ou tripanossomíase africana é uma doença frequentemente fatal causada pelo parasitaunicelular Trypanosoma brucei. Há duas formas: uma na África Ocidental, incluindo Angola e Guiné-Bissau, causada pela subespécie T. brucei gambiense, que assume forma crónica, e outra na África Oriental, incluindo Moçambique, causada pelo T. brucei rhodesiense, forma aguda. Ambos os parasitas são transmitidos pela picada da mosca tsé-tsé(moscas do género Glossina que são seu vetor de transmissão). ... Em http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_do_sono ...". Ainda na mesma fonte: "Epidemiologia A doença do Sono ocorre apenas na África, nas zonas onde existe o seu vector, a mosca Aniel. Não existe na África do Sul nem a norte do deserto Saara. A subespécie gambiense existe apenas a oeste do vale do grande rift africano, nas florestas tropicais, sendo um problema grave em países como os Congos (antigo Zaire), Camarões e Norte de Angola. A transmissão é principalmente de humano para humano, com menor importância dos reservatórios animais. As moscas transmissoras são as Glossina palpalis, que se concentram junto aos rios, lagos e poços. A subespécie rodesiense existe a leste do grande rift, principalmente na região dos grandes lagos, nas savanas: Tanzânia, Quénia,Uganda e Norte de Moçambique. Os antilopes, gazelas e animais domésticos são reservatórios importantes do parasita. Transmitido pelas moscas Glossina morsitans." Segue Wikipédia: " Diagnóstico e tratamento O diagnóstico é geralmente pela detecção microscópica dos parasitas no sangue ou líquido cefalo-raquidiano. Também se utiliza a inoculação do sangue em animais de laboratório, se a parasitemia for baixa, ou a detecção do seu DNA pela PCR. Na fase aguda, o tratamento com pentamidina é eficaz contra T. gambiense, e a suramina contra T. rhodesiense. No entanto a resistência é crescente a estes fármacos. Na fase cerebral, já poderá haver danos irreversíveis. É necessário usar o tóxico melarsoprol, que mata sem ajuda do parasita 1-10% dos doentes, ou no caso do T. gambiense, a eflornitina. A doença do sono é considerada como "extremamente negligenciada", pela DNDI, basicamente porque afeta principalmente os muito pobres, em áreas igualmente pobres. ..." Ubervalter Coimbra, jornalista.

mais sobre mim
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
17
19

20

27
30
31


pesquisar neste blog
 
Visitantes
blogs SAPO